Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Família da menina baleada na Ilha do Governador pede doações de sangue

Ana Beatriz, continua em estado grave
Ana Beatriz voltada de uma aula de balé quando foi atingida nas costas. Foto: Reprodução

A família de Ana Beatriz Barcelos do Nascimento, menina de 12 anos que foi baleada na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, fez um apelo nas redes sociais pedindo doações de sangue. Ana Beatriz está internada em estado grave no Hospital Municipal Souza Aguiar e precisa da sua ajuda.

Quem quiser doar sangue precisa informar o nome completo dela – Ana Beatriz Barcelos do Nascimento e o hospital onde está internada – Hospital Municipal Souza Aguiar. A menina tem tipo sanguíneo O+, mas são aceitos todos os tipos de sangue. As doações podem ser feitas no Hemorio, na Rua Frei Caneca 8, no Centro do Rio.

Segundo familiares e a publicação da avó em uma rede social, Ana Beatriz apresentou uma melhora. A equipe médica do Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, informou que está reduzindo a medicação de noradrenalina, porque a pressão arterial está voltando à normalidade sozinha e os batimentos cardíacos são considerados bons. Há indicativo de que o rim está voltando a funcionar, mas exames serão realizados para verificar se ela precisa de uma nova diálise.

Relembre o caso

Ana Beatriz Barcelos Nascimento, de 12 anos, foi baleada nas costas, na Comunidade das Pixunas, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, no início da noite da última quinta-feira (13).

Segundo vizinhos e parentes, a menina voltava de uma aula de balé quando começou um tiroteio. Ana Beatriz foi atingida nas costas, e o tiro saiu pela barriga. A menina foi encaminhada para o Hospital Municipal Evandro Freire, na Ilha, e passou por uma cirurgia que teve duração de 4 horas.

O crime está sendo investigado pelo 37ª DP (Ilha do Governador).

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]