Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Cannabis medicinal é tema de roda de conversa entre líderes comunitários na Fiocruz

Roda de conversa reuniu cerca de 60 pessoas que levantaram questões sobre o uso de medicamentos com base de cannabis nas favelas
Cannabis Medicinal
Foto: Rafael Costa / Voz das Comunidades

Um encontro entre líderes comunitários e grupos sociais marcou a manhã desta terça-feira na Fiocruz. Através de uma roda de conversa, representantes de iniciativas sociais debateram o uso da cannabis medicinal dentro de territórios de favelas e periferias do Rio de Janeiro. O encontro teve participação de Lúcia Cabral, do Educap, e Rafaela França, coordenadora do Neem.

O encontro surgiu após dos desdobramentos da Conferência Livre de Saúde das Favelas e Periferias, que ocorreu em maio. Desde então o grupo dialoga sobre o acesso e o uso de cannabis medicinal, pois é uma questão importante para a saúde pública. Com o encontro na Fiocruz, os participantes puderam reforçar o laço e abordar questões como preconceito em torno do cannabis medicinal dentro das comunidades.

Leia também: Cannabis Medicinal: Projeto que ajuda famílias atípicas de favela inaugura sede física

Representantes do Complexo do Alemão

Rafaela França, coordenadora do Núcleo de Estimulação Estrela de Maria (Neem), ressaltou a importancia do debate. Ela lembrou de como foi difícil conseguir a medicação para sua filha no início. Hoje Rafaela atende mais 114 famílias no Estado do Rio de Janeiro. Rafaela também lembrou o trabalho em conjunto com serviços de saúde do Complexo do Alemão na capacitação sobre o acesso e uso do medicamento. “Fizemos uma qualificação de 60 médicos na clínica do Alemão e foi um dia de muita troca, muito conhecimento. A realidade hoje nas favelas e no Complexo do Alemão é que tem médico preescrevendo cannabis pra favelado”.

Lúcia Cabral, do Educap, relembrou da sua participação na 17ª Conferencia Nacional de Saúde, que aconteceu em Brasília, no início de julho. “Participei de uma roda que falava sobre saúde popular, mais voltada para indisciplinariedade. O cannabis foi um tema muito forte. Por conta da questão que envolve maconha versus cannabis versus segurança pública. Falar sobre cannabis não é sobre segurança pública. É saúde”, completou.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]