Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Favela Holding lança primeira empresa de telefonia móvel social do Brasil

O Alô Social Celular tem como objetivo democratizar o acesso à comunicação e a internet
Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

Nesta quarta-feira (28), foi lançado o Alô Social Celular, com o objetivo de democratizar o acesso à comunicação e internet. A operadora foi criada por Celso Athayde e Thales Athayde, da Favela Holding. O evento de lançamento foi na sede da companhia em Barueri, São Paulo, e contou com a presença dos embaixadores da marca Hélio de la Peña, MV Bill, Nega Gizza, Dudu Nobre e Sérgio Loroza. 

O Alô Social disponibilizará um serviço de telefonia móvel pré-pago e vantagens de planos pós-pagos com preços em conta, para dar acesso à maioria da população. As vantagens da operadora incluem ligações, SMS, WhatsApp livre, internet ilimitada (mesmo após consumir 100% da internet, clientes continuam navegando em velocidade reduzida durante a duração do pacote), benefícios cumulativos, roaming gratuito e maior cobertura 4G em todo o Brasil. A previsão é de chegar a 4 milhões de clientes até junho de 2021.

Antes do lançamento, o Alô Social já atuava em parceria com a TIM no projeto Mães da Favela ON, iniciativa da Central Única das Favelas (CUFA). O objetivo era combater o isolamento digital de mães das favelas, distribuindo chips com acesso ilimitado à internet por seis meses e conteúdo de educação e empreendedorismo.

“A informação e a comunicação são os ativos mais importantes no combate ao isolamento digital. Quando tornamos possível que as pessoas adquiram os chips, se mantenham conectadas e se informem melhor, contribuímos para derrubar mais uma barreira de privilégio ligado ao poder aquisitivo”, diz Celso Athayde, CEO da Alô Social Celular.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]