Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Dança no terraço e sessões de massagens proporcionam saúde e bem-estar para moradores do Vidigal

As aulas de dança são gratuitas e as massagens são oferecidas por um preço acessível
O único pré-requisito para participar é ter vontade de quebrar tudo na dança. (Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades)

Matéria publicada no jornal impresso do Voz das Comunidades
Texto: Amanda Botelho / Fotos: Selma Souza

Ano novo e novos hábitos. Em janeiro, o brasileiro começa a fazer planos para encarar os próximos 365 dias. Inclusive, começar uma rotina mais saudável entra na lista de metas. No verão, a procura por atividades físicas aumenta. Uns visam bem-estar, outros estética. Independente do objetivo, o que importa é se movimentar, cuidar da saúde, respeitar seus limites e se divertir.

No Vidigal, os moradores começaram o projeto verão com antecedência e de forma bem inusitada, com muita dança e massagens. Gustavo de Sousa, 29 anos, estudante de Educação Física e Massoterapeuta, chegou na comunidade há quatro meses e já tirou muita gente do sofá. Pensando em contribuir com a comunidade, Gu, como é conhecido, deu início a um projeto de dança e massagens a preços acessíveis. “Sempre foi um sonho ter um projeto, poder ajudar e fazer alguma coisa para a população. Aconteceu de ser no Vidigal e, desde que cheguei, têm sido os melhores meses da minha vida”, diz Gustavo.

Dança no Terraço

Vai no aulão?”, essa pergunta marca o encontro de moradores que se esbarram pelas ruas do Vidigal em dia de aula de dança no terraço. O primeiro aulão idealizado por Gustavo foi em outubro de 2022, no Terraço Horizonte, localizado na Rua Benedito Calixto, número 10. É divertido, saudável, gratuito e com direito a vista para o mar. Levou pouco tempo para a notícia se espalhar no morro. O boca a boca resultou em um espaço lotado com cerca de 100 moradores, incluindo crianças, jovens, adultos e idosos. 

As aulas geralmente são realizadas na parte da noite e duram de duas a três horas (Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades)

A iniciativa foi abraçada por vários professores de Educação Física e dançarinos do Vidigal. Profissionais de diversas academias locais são convidados para dar aulas de dança, como Ayesca Mayara, 29 anos, dançarina de funk e hip-hop, que trabalha com Gustavo na academia V+. “Surgiu da gente reunir os professores de dança de todas as academias aqui do morro. A gente se reúne neste espaço e faz um encontro super legal. Adoramos essa energia de todo mundo junto e com certeza vamos programar mais aulões e fazer uns dias especiais para nossos alunos no futuro. 2023 vem com tudo”, conta Ayesca.  

Dona Aria Luyindula, de 50 anos, tem disposição de sobra. Sabe todos os passinhos e é presença confirmada nas aulas. Ela enfatiza que, desde quando começou a dançar, sua saúde melhorou. Para a moradora, também há um ganho coletivo. Ela acredita que a dança no terraço tem o poder de aproximar os moradores do Vidigal. “Eu acho muito importante porque as pessoas se divertem, se distraem em um local onde todo mundo se junta para dançar e une mais a comunidade”, diz Aria. 

Do sertanejo ao funk, dos anos 90 à “era TikTok”, os sons agradam a todos os gostos. As coreografias dançadas nas aulas são de ritmos variados, com aquela mistura boa que o carioca gosta. Mas além do gingado, a iniciativa também se dispõe em deixar uma mensagem ao tratar de alguns temas. Começou com outubro rosa, passou para novembro azul e em dezembro rolou uma retrospectiva das músicas que fizeram sucesso em 2022. Para fevereiro a ideia é misturar alguns temas, mas por enquanto ainda é surpresa.

Com 10 reais dá pra ficar tranquilo

Quem disse que massagem é coisa de rico está enganado. Na Associação de Moradores do Vidigal, com 10 reais dá para relaxar recebendo uma boa massagem. Esse valor é direcionado para a compra dos materiais usados na sessão. O objetivo é garantir que moradores tenham acesso aos benefícios da massoterapia, como alívio de tensão e cansaço. 

Os atendimentos são realizados às segundas, quartas, quintas-feiras e sábado. É necessário agendar um horário na Associação de Moradores (Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades)

Na casa de Tânia Maria, de 50 anos, a família toda faz massagem. Inclusive a filha, Beatriz Sousa, 23 anos, que se mudou da comunidade mas mantém as sessões semanais. “Conheci o Gustavo através da minha mãe, pois ela já vinha fazendo com ele e me indicou, já que ela sabe da minha paixão por massagem. Gostei muito, pois é uma forma de se desestressar do trabalho e dos estresses diários. Vejo como uma recarga de energias”, relata Beatriz.

A sala de espera lota! No verão a busca tem sido por massagens que auxiliam na redução de medidas, como a modeladora, turbinada e a drenagem. Quem busca desestressar, pode optar pela massagem relaxante, revigorante ou terapêutica. O Gustavo também trabalha com massagem facial, craniana e spa dos pés. 

O profissional enfatiza que todos merecem esses cuidados e espera sempre poder proporcionar alegria e bem-estar aos moradores do Vidigal. “Penso em ser reconhecido, não por ser o melhor, mas como um dos que estão contribuindo para o bem-estar das pessoas; tanto com dança quanto com massagem. Quero mostrar que tudo é possível e que todo mundo pode tudo”, afirma.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]