Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Cozinha Comunitária Carioca é inaugurada no Conjunto de Favelas da Maré

Programa 'Prato Feito Carioca' expande atendimento com nova unidade na comunidade Salsa e Merengue
A catadora de latinhas Inês dos Santos é uma das beneficiadas com a nova cozinha comunitária da Maré Foto: Roberto Moreyra/SMTE

Na última quarta-feira (26), foi inaugurada a nova filial do Prato Feito Carioca no Conjunto de Favelas da Maré. A cozinha comunitária está localizada na Rua Projetada D, nº 174, na comunidade Salsa e Merengue. Esta é a segunda unidade do programa no complexo, sendo que a primeira, a Cozinha Comunitária Carioca Nova Holanda, foi inaugurada no dia 27 de setembro do ano passado. Ela fica na rua Bittencourt Sampaio, nº 140.

A nova Cozinha Comunitária Carioca é gerida pelo Instituto Carioca de Atividade (ICA) e serve 280 refeições gratuitas diariamente. A equipe é composta por Isabel Cristina, de 50 anos, Natalyne da Silva Vicente, de 38, e Livia Maximiniano Pinto, de 34, no comando da cozinha, enquanto Naldinho Lourenço e Alessandra Leandro cuidam da administração.

Para moradores como Inês dos Santos, catadora de latinhas de 52 anos, a cozinha comunitária é uma verdadeira bênção. “Se não fossem estas refeições, eu e meus três filhos estaríamos só comendo pão, porque estamos sem gás em casa”, relatou Inês, que levou para casa quatro quentinhas nesta quarta-feira.

Com esta inauguração, o Rio já conta com 25 cozinhas comunitárias em operação, atendendo as populações mais necessitadas. A previsão é que mais sete cozinhas sejam entregues até julho, incluindo as Cozinhas Comunitárias da Apae, na Tijuca, nesta quinta-feira (27/6), às 12h; Maria Altina, em Santa Cruz, e Casa Matos, em Realengo, na sexta-feira (28/6). No segundo semestre, outras 23 cozinhas deverão ser abertas, totalizando 55 unidades em toda a cidade.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]