Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Água de bueiro correndo a céu aberto impacta movimentação de moradores do Complexo do Alemão

Lodo e mau cheiro afastam quem mora na localidade da Fazendinha; segundo relatos, obra da prefeitura “só deixou pior do que estava”
Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades

Uma das vias de entrada ao Complexo do Alemão é a rua Antonio Austregésilo que tem uma característica peculiar: tem três vias que se dividem em uma bifurcação, sendo duas que sobem para dentro da comunidade e outra que dá acesso à Avenida Itaóca. Mas o “Y” da Antônio Austregésilo está passando por uns dias difíceis desde que, segundo moradores, uma obra de tapume, realizada pela prefeitura do Rio, ocasionou no transbordamento da água de esgoto que corre a céu aberto.

Lixo está acumulado sobre a água de esgoto que corre rua abaixo
(Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades)

Quem sobe a rua em direção ao Complexo do Alemão, encontra a água de esgoto atravessando a bifurcação. As pessoas que descem precisam desviar dos fios d’água que correm pelo asfalto. Como se não bastasse só o mau cheiro, a região também conta com muito lixo espalhado por algumas pessoas em situação de rua que perambulam pelo local.

Moradores querem solução

O Bruno Silva tem uma mecânica de motos em frente ao triangulo da rua e o esgoto passa bem em frente ao seu estabelecimento. Ele conta que a prefeitura até vai ao local, mas que não resolve o problema. “Eles vêm aqui, tiram algumas fotos e vão embora. E essa água aí correndo. Já caíram pessoas de moto aqui na frente e também algumas pessoas idosas. É bem complicado.”

Bruno Silva tem uma mecânica bem em frente e relata que já viu muitas quedas no local. “Pessoal de mais idade escorrega muito por conta dessa água” (Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades)

A água do esgoto a céu aberto também está atrapalhando as vendas do bar do Antonio da Silva. Ele relata que o mau cheiro espanta a clientela. “O movimento baixou bastante. A gente trabalha com lanches aqui e aí fica difícil vender sanduíches com esse esgoto correndo aqui na frente”.

A dona Zenaide Ferreira, de 72 anos, também enfrenta dificuldade por conta da água. “Eu tenho diabete e tenho medo de encostar nessa água suja. Todo o dia eu passo aqui e tenho que ficar desviando. E pior ainda quando chove.”

(Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades)

A equipe do Voz das Comunidades entrou em contato com a Águas do Rio e foi informado que no dia 9 de novembro enviará uma equipe ao local para verificar a situação. A empresa também relembrou que contatos de consumidores podem ser realizados pelo telefone 0800 195 0195, que também funciona como WhatsApp.

Texto: Rafael Costa
Produção / Fotos: Vilma Ribeiro
Revisão: Jonas di Andrade

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]