Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Invasão de livros toma de assalto os Complexos do Alemão e da Penha

Portando Educação e Cultura, voluntários doam 5 mil livros em terceira ação que ressignifica a tentativa de ocupação do CPX em 2010
Foto: Marlon Soares
Foto: Marlon Soares

Na manhã nublada deste sábado (26), as ruas do complexos do Alemão e da Penha foram invadidas pela Cultura e Educação. Na terceira edição da #InvasãodeLivros, 5 mil livros foram doados a crianças e adolescentes por cerca de 70 voluntários do Voz da Comunidades. Em seu terceiro ano consecutivo, a ação social, criada por Rene Silva, ressignifica a operação de ocupação ocorrida no CPX em 2010, portando acesso ao conhecimento e não desesperança.

A iniciativa reafirma a necessidade de criar espaços culturais na Favela e também é um protesto contra o abandono de políticas de acesso à Educação e Cultura na região. Sobre o tema, Rene afirma. “Essa ação é uma alusão àquele momento da ocupação do Alemão em 2010. Uma forma de protesto pelo fato de que há 12 anos o governo só entrou com a polícia. (…) a biblioteca Parque, por exemplo, está desativada há 6 anos, desde que o teleférico parou de funcionar, em 2016. Por isso, a iniciativa da invasão de livros é simbólica, pelo desserviço de promessas do governo de mudança social não cumpridas ao longo desses anos todos.”

E a importância da leitura não é novidade por aqui. Fabiana Dias Brito é do Complexo do Alemão e mora com seu filho Arthur, de 9 anos. Foi ela que gritou da sacada do prédio e mandou o filho descer correndo para pegar os livros. Para essa mãe, educação é tudo. “Eu não tenho tempo, mas conhecimento a gente não esquece, né? Gasto cento e pouco na escola… eu tô investindo pesado nele. Ele é um dos melhores alunos da escola. A gente é de favela, mas não é de bobeira, não!

Fabiana Dias incentiva o filho à leitura e sabe que a Educação é o melhor caminho
Foto: Marlon Soares 

David Caíque tem 12 anos e frequenta o 6º ano da escola municipal Vera Saback. Para ele, ler não é um costume de sempre, mas ele curte nas horas vagas. Seus interesses são histórias de heróis e de luta, porque ele faz boxe num projeto perto de casa. “Eu vejo mais instagram, mas eu leio. Eu leio lá no instagram e nas horas vagas, quando não tenho nada pra fazer, eu leio os livros. Eu já ganhei alguns outros (livros) do projeto lá de dança que eu faço.”

 David Caíque curte ler nas horas vagas
Foto: Marlon Soares

A #InvasãodeLivros 3 ocorreu com o apoio de artistas e instituições. O youtuber e empresário Felipe Neto doou mil livros para a iniciativa, seguido pelo cantor Emicida, a Gerência de leitura da prefeitura, Editora Sextante, Companhia das Letras e Editora Record que também fizeram doações.

Para crianças como Caíque e Arthur, a Invasão de Livros é um paliativo que soluciona provisoriamente a escassez de políticas de incentivo à leitura. A Biblioteca Parque do Alemão encontra-se ainda fechada, mas isso não tem impedido as crianças e seus pais de buscarem os melhores caminhos para acessar o conhecimento e a Educação.

Julia Agatha é uma leitora ávida e lê em todos os lugares. Já devorou vários livros da Invasão e esse voltou para buscar mais ainda.
Foto: Marlon Soares

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]