Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Conheça Nete Aleluia. Mulher negra, dona de resistência e ancestralidade

No Dia Internacional da Mulher Negra, Latina e Caribenha, conheça a moradora do Vidigal que se orgulha de sua origem e exalta sua comunidade
Nete Aleluia
(Foto: Igor Albuquerque / Voz das Comunidades)

No dia 25 de julho, comemora-se o Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha. A data foi definida em 1992, em um encontro de mulheres negras dessas regiões, na República Dominicana. O dia representa a luta dessas mulheres contra o preconceito de raça e gênero. Aqui no Brasil, trata-se também de uma homenagem à líder do Quilombo do Quariterê, em Mato Grosso: Tereza de Benguela, a Rainha Tereza.

No Vidigal, a moradora Nete Aleluia, de 64 anos, se orgulha de ser descendente de reis e rainhas africanos. Membro do coletivo de mulheres Favela no Feminino, Nete foi a primeira passista do Acadêmicos do Vidigal e hoje é componente da ala das baianas. Ela não fala de seus antepassados como escravizados, mas como descendentes de uma dinastia africana. 

Dinastia essa que se multiplicou no Vidigal. Os pais de Nete chegaram no morro na década de 1940 e aqui tiveram quatorze filhos. A família Aleluia está na quarta geração de vidigalenses. Seu pai veio de Minas Gerais, mas seu avô veio de África.

Mulher de axé, essa filha de Oxum reclama da falta de respeito dos novos moradores do Vidigal aos que aqui chegaram primeiro. “É uma prática de terreiro. Minha neta de 9 anos é ekédi de Iansã. Mesmo assim ela me respeita no barracão e aqui fora. Eu sou mais velha. Hierarquia é posto. Tem gente que chegou aqui outro dia e te trata de qualquer jeito, sem saber a importância de ser cria de um lugar. Vidigal é minha raiz.”

Sobre os seus objetivos de vida, Nete destaca. “Sonho em fazer uma feira de empreendedorismo, empoderando as mulheres do Vidigal. Sonho também em ter uma marca de roupas africanas. Agulha não é minha praia, eu criaria o designer, o estilo e empregaria outras mulheres. É a mulher negra que segura a favela. Somos resistência, ancestralidade”.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]