Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Pesquisa revela que 63% dos moradores da Maré têm medo de serem atingidos por armas de fogo

O estudo Construindo Pontes, da People’s Palace Projects em parceria com a Redes da Maré, constatou que 31% da população adulta têm a saúde mental afetada por episódios de violência

Foto: Renato Moura / Voz das Comunidades
Colaboração: Jonas Di Andrade

Quando a questão é relacionada à integridade física e mental, os moradores nas comunidades cariocas convivem com a possibilidade de presenciar episódios traumáticos nestas regiões, como operações policiais e disparos de armas de fogo que colocam em risco a vida de quem mora nessas localidades.

Com objetivo de compreender as consequências da exposição frequente a estas situações, a organização People’s Palace Projects, em parceria com a Redes da Maré, realizou a pesquisa Construindo Pontes, direcionada na análise da saúde mental dos moradores do Complexo da Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Para isso, o estudo priorizou a população de 18 anos ou mais do Complexo da Maré, grupo estimado em 101.548 habitantes. O levantamento constatou, partir das respostas colhidas, que grande parcela dos moradores são negros entre 18 a 50 anos, com as mulheres sendo um pouco mais da metade de pessoas que moram na região. 

Medo relacionado à violência

De acordo com a pesquisa, a violência restringe a circulação de pessoas e ideias, produz traumas, afeta a saúde e reduz a confiança nas instituições. Com isso, a pesquisa Construindo Pontes buscou compreender as consequências da violência sobre a população da Maré, com base em dados quantitativos e nos relatos dos moradores.

Foto: Reprodução

Metade da população (50,2%) sempre sente medo de ser alvejada por uma arma de fogo na Maré. Um número ainda maior (55,6%) sente medo constante de que alguém próximo seja atingido. No entanto, a maioria dos entrevistados – 67,3% – afirma não sentir medo de circular na Maré. Além disso, 20,5% tem medo de falar o que pensa ou sente.

Medo e insegurança

O medo da exposição à violência armada e da vitimização é verificada por mais da metade dos entrevistados adultos da maré. O estudo, que conversou com mais de 1,4 mil moradores do maior conjunto de favelas cariocas, revelou também que cerca de 63% da população local convive com o medo frequente de ser alvejado por disparos de armas de fogo.

A pesquisa realizou diversas perguntas que envolvem a violência no cotidiano do Complexo da Maré.
Foto: Reprodução.

Além desse indicador, a pesquisa demonstra que a ansiedade ou o tormento mental nesses casos aumenta para 70,9% quando o pensamento envolve pessoas próximas ao seu círculo pessoal. Dentro desses índices ainda, o estudo concluiu que um quinto da população adulta (31% dos entrevistados) possui a saúde mental e emocional afetada pelos episódios de violência do Complexo da Maré.

O resultado deste levantamento revela que os moradores da Maré passam por situações de extrema violência, como estar em meio a tiroteios ou testemunhar assassinatos, com impressionante frequência. Os dados também mostram que a maioria desta população vive permanentemente com medo. Um quinto dos entrevistados acredita que este estado emocional causa prejuízos à saúde física; quase um terço revela efeitos sobre sua saúde mental.

Para conhecer mais a respeito do estudo, acesse este link.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]