Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

‘Tive que desmarcar todos os meus serviços’; moradores do CPX sofrem com rompimento de adutora na Estrada do Itararé

Vazamento que começou na madrugada de quarta-feira (15) afeta o cotidiano de moradores do Complexo do Alemão
Foto: Uendell Vinícius / Voz das Comunidades

A Estrada do Itararé, no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, segue interditada, devido ao rompimento de uma das principais adutoras que abastece a região. A vida dos moradores da comunidade e arredores foi afetada drasticamente. A manhã desta quinta-feira (16) foi bem difícil para eles, pois ônibus mudaram suas rotas, comércio sendo prejudicado e muita gente chegou atrasada no trabalho.

Tainá Nascimento, 29 anos, moradora da Rua Paranapanema, próximo ao local da via fechada. Ela conta que levou cerca de 1h30min para conseguir chegar no seu trabalho, no centro da cidade do Rio. “Fiquei sabendo do fechamento da via assim que acordei, mas não imaginava que estaria tão engarrafado. Tudo parado. Cheguei bem atrasada”, conta a moradora.

Já a cuidadora de idosos Nilceia Pereira, de 56 anos, teve que atravessar toda a via interditada a pé carregando uma mala. Em entrevista ao Voz das Comunidades, ela confidenciou que já se encontra aflita com a volta para casa.

Nilceia Pereira, cuidadora de idosos, precisou atravessar a via interditada.
Foto: Caio Viana / Voz das Comunidades

Com a via interditada, outra reclamação dos moradores foi em relação as motos estarem dividindo a calçada com pedestres. Acidentes quase aconteceram. “Agora a pouco deu uma pequena confusão aqui entre o pessoal das motos. Os guardas fizeram eles desviarem pelas ruas ao lado da Estrada do Itararé”, conta Maria Aparecida, de 65 anos, aposentada e moradora da Pedro Avelino, rua que contorna via interditada. A moradora também relatou estar sem água desde quarta-feira.

Pedestres dividindo calçada com motos.
Foto: Caio Viana / Voz das Comunidades

O rompimento da adutora também prejudicou o comércio local. É o caso de Liliane Dias, 45, jornaleira, que contou que a água chegou até o joelho. “Atrapalhou as vendas da banca, não vendi quase nada porque não está passando quase ninguém na rua. Só quem precisa sair para trabalhar, estudar ou algo assim”, conta a comerciante. Já Abilene Ribeiro, de 39 anos, trabalha com tosa e banho de animais reclamou que está sem trabalhar. “Tive que desmarcar todos os meus serviços. Não tenho nem ideia do prejuízo que terei”, desabafa a comerciante que atende na Estrada do Itararé, no número 739.

De acordo com a Água dos Rio, o abastecimento de água será retomado nas regiões afetadas de forma gradativa após a conclusão do serviço, inicialmente prevista para o fim da noite de hoje.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

Veja também

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]