Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Só 4% dos jovens do Alemão frequentam a faculdade; maior índice está na Zona Sul

Regiões administrativas nas favelas e subúrbios cariocas registraram menores indicadores
Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades
Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

O Instituto Pereira Passos da Prefeitura do Rio de Janeiro realizou uma pesquisa que avalia o desenvolvimento social da cidade, o Índice de Progresso Social (IPS). A pesquisa revelou que só 4% dos jovens de 18 a 24 anos que moram no CPX do Alemão frequentam ou concluíram o ensino superior.

De acordo com a pesquisa, o conjunto de favelas está numa situação muito desigual em comparação a Botafogo, bairro na Zona Sul do Rio, que tem 69% de pessoas na mesma faixa de idade que estão no ensino superior. Em toda a cidade, o acesso a universidade é de 32,6%.

Além do CPX do Alemão, outras regiões administrativas nas favelas também tem dados preocupantes sobre o acesso ao ensino superior. A mesma pesquisa também mostra Jacarezinho com 8,10%, Cidade de Deus com 8,05% e Complexo da Maré com apenas 7,61% de jovens entre 18 e 24 anos nas universidades. Dois bairros da Zona Oeste também aparecem nas últimas posições. Santa Cruz com 7,98% e Guaratiba 6,27%.

Um coletivo social, formado por 20 organizações sociais que criou o Plano de Ação Popular do CPX, mostrou que os moradores querem mudar a realidade do acesso à educação. Um abaixo-assinado pedindo uma unidade do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) no CPX do Alemão coletou mais de 2 mil assinaturas e ainda segue aberto para novos apoiadores neste link. A proposta de ter um campus da instituição no CPX já vem sendo debatida desde 2015 segundo dossiê feito pelo coletivo. A pauta voltou a ser debatida na última visita da primeira-dama Janja ao Complexo do Alemão.

Veja a lista taxas de acesso a faculdade por região administrativa em ordem de maior para menor:

  1. Botafogo: 68,69%
  2. Lagoa: 66,48%
  3. Tijuca: 61,74%
  4. Copacabana: 58,69%
  5. Vila Isabel: 54,24%
  6. Barra da Tijuca: 48,10%
  7. Centro: 39,37%
  8. Méier: 38,98%
  9. Ilha do Governador: 36,57%
  10. Irajá: 36,56%
  11. Inhaúma: 29,18%
  12. Jacarepaguá: 29,10%
  13. Madureira: 25,05%
  14. Santa Teresa: 24,25%
  15. Ramos: 23,89%
  16. Rio Comprido: 21,80%
  17. Realengo: 21,11%
  18. Penha: 20,93%
  19. São Cristóvão: 19,24%
  20. Anchieta: 19,15%
  21. Campo Grande: 17,77%
  22. Bangu: 16,33%
  23. Vigário Geral: 16,18%
  24. Pavuna: 13,74%
  25. Zona Portuária: 9,81%
  26. Jacarezinho: 8,10%
  27. Cidade de Deus: 8,05%
  28. Santa Cruz: 7,98%
  29. Maré: 7,61%
  30. Guaratiba: 6,27%
  31. Rocinha: 4,64%
  32. Complexo do Alemão: 3,89%

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]