Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Novembro azul: Chega de tabu, chegou a hora da prevenção!

Robson Maciel Ribeiro esclarece mitos sobre o exame e fala da importância da prevenção contra o câncer de próstata
Arte: Divulgação

O mês de novembro marca uma campanha de relevância mundial para a saúde masculina: Novembro Azul. O movimento, que iniciou em 2011 aqui no Brasil, atua como uma mobilização para a conscientização e prevenção de doenças masculinas, principalmente, no combate ao câncer de próstata. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a doença é a mais comum entre os homens e representa 29% dos diagnósticos da doença no Brasil. 

Próstata é uma glândula do corpo masculino localizada na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a uretra, ou seja, o canal por onde passa a urina. Ela tem como função produzir um líquido que compõe parte do sêmen, para nutrir e proteger os espermatozoides. O câncer de próstata é o tumor que afeta, como o próprio nome diz, a região da próstata. Na maior parte dos casos, ele cresce de forma lenta e não dá sinais da enfermidade ao longo dos anos. Por isso, a realização de exames preventivos a partir de uma certa idade é tão necessário.   

No entanto, o tema ainda é dilema para muitos homens que, por motivos  preconceituosos, evitam realizar o exame de próstata. Por isso, a fim de quebrar esse tabu, a equipe do Voz das Comunidades entrevistou Robson Maciel Ribeiro, gerente de saúde da Clínica da Família Zilda Arns, no Complexo do Alemão. O profissional respondeu perguntas e explicou dúvidas recorrentes sobre o assunto.

Robson Maciel Ribeiro esclarece mitos sobre o exame e fala da importância da prevenção contra o câncer de próstata
Foto: Vilma Ribeiro / Voz das Comunidades

1 – Qual a importância de se realizar um exame de próstata? 

A importância do exame de próstata está na investigação de pacientes com sintomas urinários e risco aumentado para Câncer de próstata, como história familiar positiva em parente de primeiro grau: pai ou irmão.

2 – Quais os riscos que o homem assume ao deixar de fazer esse exame? 

Quando existem sintomas urinários, o homem perde a oportunidade de diagnosticar o Câncer de próstata na fase inicial da doença.

3 – Existem muitos casos de câncer de próstata no Alemão?

Mesma incidência da população brasileira por faixa etária. O importante é procurar o serviço de saúde em caso de alterações clínicas.

4 – Como o morador pode buscar esse atendimento na Clínica da Família da comunidade? 

Basta se direcionar até a sua equipe na unidade básica de saúde, que coordena os cuidados de acordo com cada necessidade.

4 – Tem o que temer com o exame?

Não há o que temer com o exame. Exame indolor. O temor existe por um pensamento machista (e homofóbico) da sociedade em correlaciona-lo a um “comportamento” homossexual. O novembro azul é importante para lembrar ao homem de cuidar da sua saúde como um todo, não apenas da próstata.

Existem fatores de risco que aumentam as chances de desenvolver a doença. Os principais deles são:

  • Idade avançada;
  • Histórico de câncer na família: são considerados do grupo de risco; homens com parentes próximos (pai, irmão e tio) que tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos;
  • Sobrepeso e obesidade: estudos recentes mostram maior risco de câncer de próstata em homens com peso corporal mais elevado.

Os principais sintomas da doença são:

  • Dificuldade de urinar;
  • Sangue na urina;
  • Demora em começar e terminar de urinar;
  • Necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite;
  • Diminuição do jato de urina;
  • Dor na região dos testículos ou perto do ânus.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

Veja também

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]