Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Morador do Complexo, paraibano Cassiano Beija-Flor leva sanfona, zabumba e triângulo ao palco principal do Arraiá do Alemão

O artista paraibano celebrou a cultura nordestina e encantou o público no evento
Foto: Uendell Vinícius / Voz das Comunidades

Presente desde a primeira edição do Arraiá do Alemão, Cassiano Beija-Flor se apresentou no palco principal que leva o nome de Luiz Gonzaga, neste sábado (8). O morador do Complexo do Alemão é de Café do Vento, na Paraíba, e subiu ao palco com seu trio, duas sanfonas, uma zabumba e um triângulo. “Para representar bem o Nordeste”, disse. 

“Esse evento tá bonito, hein! Representando seu Lua, o Luiz Gonzaga. Rene falou comigo que esse ano foi feito justamente para a cultura nordestina, aí eu fiquei pensando: vou botar um baixou ou vou botar uma sanfona? Aí botei duas sanfonas no palco hoje, zabumba e triângulo, para ficar bem representado mesmo!”, afirmou. 

Foto: Uendell Vinícius / Voz das Comunidades

Ele relembrou que a primeira edição era em uma proporção bem menor. “A gente tá junto desde o início. Desde o primeiro, que foi pequenininho, e hoje tá do tamanho que tá, fechando ruas e mais ruas para caber todo mundo. O ano passado foi legal, mas esse ano foi muito melhor!”, disse o artista. 

O artista, que vive no Rio há 40 anos, deixou um recado sobre a importância de eventos como este. “A gente tem que tá junto da cultura nordestina! E fazer um evento dessa envergadura é muita coisa! Fica caro, num fica?”, brincou.

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

Veja também

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]