Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Em busca do tempo perdido, alunos procuram reforço escolar nas comunidades

Após dois anos sem aulas presenciais, a dificuldade de aprendizagem é um dos sintomas comentados pelos estudantes
Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades
Foto: Selma Souza / Voz das Comunidades

Para todos os estudantes da cidade do Rio de Janeiro, o mês de fevereiro marcou o retorno presencial das atividades escolares. Contudo, em meio a essa retomada, após dois anos longe dos centros de ensino, diversos alunos relatam uma maior dificuldade na concentração, no convívio com outras pessoas. E, principalmente, na capacidade de aprendizado pelo processo de estudos interrompido durante a pandemia do coronavírus no Brasil. 

Nas comunidades cariocas, esse cenário se tornou ainda mais prejudicial para boa parte dos jovens. Pois, diferente das outras localidades, muitos não tiveram um acesso de qualidade no formato à distância. E, em alguns casos, nem contaram com essa modalidade por diversos motivos. Entre eles, a falta de sinal de internet e de aparelhos eletrônicos que permitam essa conexão. Essas dificuldades listadas fizeram parte da rotina de Raissa Martins, de 18 anos, que está no terceiro ano do Ensino Médio. 

Moradora do alto Alemão e estudante do Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes, ela revela que esse período distante da escola afetou o desenvolvimento pessoal dos alunos por não possuírem o contato frequente com outros jovens e ainda evidenciou as dificuldades já existentes de aprendizado. E, em razão disso, a jovem busca opções de reforço escolar e de pré-vestibular para recuperar o “tempo perdido”.

“Sendo bem sincera, eu tenho muito problema com física e matemática desde sempre. Então, esses dois anos sem um ensino frequente, me prejudicou demais. E, a situação piora pois esse ano tenho que fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Acredito que é um momento que mudará totalmente a minha vida. Por isso, vou atrás de um pré-vestibular e cursinho”, aponta. 

Nesta perspectiva de atender as demandas dos jovens estudantes nas comunidades cariocas, a ONG Centro de Educação Multicultural (CEM) expande as possibilidades de aprendizado na Terra Prometida, localidade do Complexo da Penha, Zona Norte do Rio de Janeiro. No comando de Marcelo Correia, de 57 anos, Ana Correia, de 60 anos, e da professora voluntária Daniela Joyce, de 24 anos, os alunos do projeto recapitulam os conhecimentos das matérias tradicionais e, também, exploram as noções da agroecologia; como o plantio da terra, a importância da segurança alimentar, o uso consciente da energia e do consumo de água e muito mais. 

A ONG Centro de Educação Multicultural (CEM) entende a educação como forma de transformar o mundo. 
Foto: Selma Souza/Voz das Comunidades

“Claro, o nosso reforço escolar é direcionado para as demandas do ensino padrão, como as áreas de ciências humanas, de exatas e sociais. Porém, aqui, a gente entende a necessidade de olhar para a educação como uma forma de achar mecanismos de transformar a relação que temos com o meio ambiente. Gosto de definir que lecionamos agroecologia na ONG”, define Marcelo. 

Marcelo, que atua na CEM há dez anos, explica que a pandemia trouxe dificuldades de concentração para os alunos, pois restringiu o convívio entre os jovens. Para ele, esse encontro presencial facilita a troca de experiências, o desenvolvimento coletivo e, também, facilita o aprendizado entre eles. “Essa convivência entre eles é essencial para o aprendizado”, comenta. Além disso, o educador ressalta que os efeitos da pandemia e o crescimento da desigualdade socioeducacional não serão sentidos imediatamente, mas sim, nos próximos anos. 

Compartilhe este post com seus amigos

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp

EDITORIAS

PERFIL

Rene Silva

Fundou o jornal Voz das Comunidades no Complexo do Alemão aos 11 anos de idade, um dos maiores veículos de comunicação das favelas cariocas. Trabalhou como roteirista em “Malhação Conectados” em 2011, na novela Salve Jorge em 2012, um dos brasileiros importantes no carregamento da tocha olímpica de Londres 2012, e em 2013 foi consultor do programa Esquenta. Palestrou em Harvard em 2013, contando a experiência de usar o twitter como plataforma de comunicação entre a favela e o poder público. Recebeu o Prêmio Mundial da Juventude, na Índia. Recentemente, foi nomeado como 1 dos 100 negros mais influentes do mundo, pelo trabalho desenvolvido no Brasil, Forbes under 30 e carioca do ano 2020. Diretor e captador de recursos da ONG.

 

 

Contato:
[email protected]